fbpx

Blog

“Quando a transformação digital é feita da maneira certa, é como uma lagarta que se transforma numa borboleta”

CHITAS WEBSOLUTIONS
Negócios Curiosidades

Presencial ao Digital: Como o Covid-19 alterou o paradigma do trabalho

George Westerman, principal investigador do MIT, descreveu a transformação digital como o uso da tecnologia para melhorar radicalmente o desempenho e o alcance de uma organização. “Quando a transformação digital é feita da maneira certa, é como uma lagarta que se transforma numa borboleta”, disse.“ [Mas quando se dá erros], tudo o que tem é uma lagarta muito rápida.”

 

Para muitas empresas, a pandemia do COVID-19 foi um catalisador para a evolução da lagarta organizacional. Contudo, após a crise, ainda não se sabe quais são as empresas com asas (borboletas) – e quais simplesmente se vão arrastar um pouco mais rápido do que antes.

 

Para empresas que já tinham iniciado um processo de transformação digital, a situação era administrável. A tecnologia permitiu que as pessoas permanecessem conectadas, continuassem a trabalhar e garantissem a continuidade dos negócios. Na China, uma pesquisa da IDC, realizada em março, concluiu que os três principais impactos positivos da pandemia foram ‘melhoria da capacidade corporativa de trabalho colaborativo à distância’, ‘ganho de skills em marketing online e desenvolvimento de negócios’ e ‘amplo reconhecimento do valor de transformação digital e tecnologia da informação entre todos os funcionários’.

 

Nómadas digitais: do nicho ao próximo ao normal

Apesar das limitações de viagens internacionais, a start-up Outsite, de Emmanuel Guisset – que oferece aos profissionais espaços de co-living e co-working ao redor do mundo em locais como Havaí, México, Portugal, Bali e a costa oeste dos Estados Unidos – está atualmente focada no que é denominado de “estilo de vida digital nómada” promovendo a sua adoção em massa para um mundo pós-COVID-19.

 

“Antes da pandemia, fazíamos parte de um nicho de pessoas… os nómadas, freelancers, programadores e outros. Como podemos trabalhar remotamente, optamos por um estilo de vida diferente”, disse Guisset, fundador e CEO da Outsite. Atualmente, este modelo de negócio atrai mais pessoas que procuram uma estadia de longo prazo no mundo, ao invés de uma secretária fixa num escritório cosmopolita.

As oportunidades de trabalhar remotamente de qualquer lugar do mundo são atualmente muito limitadas. Nos EUA, cidades e estados proibiram estadias curtas AIRBNB’s e outros, incluindo em Tahoe e no Havaí, áreas onde Outsite possui locais. Em muitos destinos europeus e internacionais, um passaporte dos EUA passou de uma vantagem de longa data para uma deficiência. Outro aspecto negativo é que ainda há muitas quarentenas obrigatórias em todo o mundo, de modo que um viajante chega a um destino e não tem liberdade para viajar.

A localização do Outsite em Bali está fechada porque não há turismo local e na Costa Rica tem apenas alguns moradores da capital San Jose, bem como expatriados americanos. Mas as localidades europeias, especialmente as costeiras (Ericeira e Biarritz), “estão cheias de europeus e alguns expatriados americanos”, disse Guisset.

 

Alguns países estão agora a incentivar estrangeiros, incluindo americanos, a obter vistos especiais para estimular as economias locais. As quarentenas, na verdade, estão a criar a necessidade e vontade de estadias mais longas. “Viajar agora é muito mais difícil, então as pessoas querem ficar mais tempo para fazer valer a pena”, disse ele.

 

Quando se pensa em trabalhar fora do país como um profissional português, alguns continentes e áreas fazem mais sentido: Europa Ocidental, América do Sul, Estados Unidos e Canadá (apesar de ser frio).

 

“Profissionais ainda precisam de cumprir horas, o que é bom, mas não é difícil trabalhar das 13h às 21h ou das 14h às 22h na Europa. Estamos livres quando é hora de jantar e podemos ir a um café pela manhã, isso pode ser um belo estilo de vida”, disse Joaquim, um português da área de informática, que atualmente trabalha e vive em Paris, França. Por outro lado, para profissionais remotos que não estão no relógio de uma empresa específica, isto abre portas em qualquer lugar”.

Atualmente, os profissionais mais jovens que viajam pela vida noturna e bares não conseguem ter as experiências que desejam, “mas se gostam de uma boa refeição, um copo de vinho e não precisam ter uma vida agitada, é ótimo” Joaquim falou da sua experiência em Paris. “É um pouco tranquilo, os moradores também gostam.”

Outro exemplo, uma ONG, a All Hands and Hearts, devido ao seu estatuto também não pode oferecer o mesmo apoio financeiro que as empresas, mesmo que possa atrair um grupo demográfico de jovens trabalhadores com origens e mentalidades desejadas da mesma forma. Isso levou Dyson a procurar maneiras de usar a qualidade de vida como forma de compensar a incapacidade da organização sem fins lucrativos de competir por remuneração.

“Tomámos a decisão inicial de adotar, como estratégia de recrutamento, que qualquer pessoa pode morar onde quiser e ganhar menos dinheiro, mas estando assim voltada para a missão”, disse ele.

 

A procura por trabalho remoto está cada vez mais forte, Adzooma (divulgado) realizou recentemente uma análise e descobriu que:

 

  • 83,5% das pessoas gostam de trabalhar em casa.
  • 67,6% mais produtivo quando trabalha em casa.
  • 60% das pessoas trabalhariam em casa se tivessem essa a opção.
  • 52,6% disseram que não querem voltar para um escritório normal após o COVID-19.

 

Se isto mostra alguma coisa, é que a procura por trabalho remoto está a aumenta. Pode não vir de todos os funcionários, mas a maioria das pessoas gostam de trabalhar em casa e é improvável que queiram desistir tão facilmente.

 

A crise atual pode, portanto, ser uma oportunidade para enfrentar com eficácia os desafios e conflitos que irão surgir no decorrer dos próximos meses. Historicamente, as crises costumam levar a um surto de automatização, derivado pelo medo e o sufocamento dos mercados. A pandemia do COVID-19 também está a desencadear esse aumento. Talvez já estejamos muito mais próximos da transformação digital do que pensamos. Na verdade, já estamos no meio disso.

O medo do aumento das taxas de infecção e o constante encerramento de instituições e organizações públicas e privados tem sido extenso em todas as áreas da vida e acabam por forçar a população a enfrentar o fato de que os humanos, como seres únicos e também sociais, são vulneráveis a vários riscos do trabalho, incluindo doenças, enquanto as máquinas são obviamente imunes. Mesmo em áreas onde o contato social até agora parecia necessário – por exemplo no trabalho de cuidados ou na indústria da hospitalidade – a digitalização e a automação estão agora a progredir mais rápido do que o esperado.

 

 

 

Fontes consultadas:

Lisa Herzog, Como podemos fortalecer a lógica contributiva do trabalho ?, 14 de maio de 2020.

Martin Krzywdzinski, A crise do COVID 19 acelera a mudança estrutural no mundo do trabalho, 15 de maio de 2020.

Elena Esposito, The Need for De-Integration in Pandemic Times, 18 de maio de 2020.

Dirk Helbing, The Corona Crisis Revela a Luta por um Futuro Digital Sustentável, 21 de maio de 2020.

Laure de Verdalle, “Útil”, “Indispensável”, “Essencial”: a crise da saúde está mudando as categorias com as quais consideramos atividades profissionais ?, 25 de maio de 2020.

Jürgen Kocka, Como a crise da Corona afeta o futuro do trabalho e nossa visão disso ?, 28 de maio de 2020.

Bénédicte Zimmermann, Preocupado com o que guardamos e os objetivos finais do trabalho, 1 de junho de 2020.

Michel Lallement, A crise como início de uma nova relação com o mundo profissional ?, 8 de junho de 2020.

David Stark, Who or What Is Being Tested in Pandemic Times ?, 11 de junho de 2020.

Bruce Kogut, Covid e Procurando a Saída, 15 de junho de 2020.

Sasha Disko, The End of the Pandemic of Productivism ?, 18 de junho de 2020.

Felix Sieker e Anke Hassel, The Future of Shopping: Corona as a Catalyst for the Transformation of Work, 22 de junho de 2020.

Constance Perrin-Joly, Rearticulando Globalização, Solidariedade e Trabalho na Etiópia, 26 de junho de 2020.

Marianne Braig, Léa Renard, Nicola Schalkowski e Theresa Wobbe, Pensando no aumento global do trabalho forçado: formas antigas, novas e em mudança de exploração do trabalho em tempos de crise, 29 de junho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Usamos cookies para oferecer a melhor experiência on-line. Ao concordar em aceitar o uso de cookies de acordo com nossa política de cookies.

Privacy Settings saved!
Configurações de Privacidade

Quando visita qualquer site, é guardada alguma informação do seu browser, a maioria em forma de Cookies. Configure aqui as suas preferências relativamente aos Cookies.

These cookies are necessary for the website to function and cannot be switched off in our systems.

In order to use this website we use the following technically required cookies
  • wordpress_test_cookie
  • wordpress_logged_in_
  • wordpress_sec

Decline all Services
Accept all Services